Proibição de visita de Esquivel causa indignação em Curitiba

 

Povo mobilizado nas imediações da Polícia Federal condena decisão da juíza e constatação do desvio de papel do Judiciário brasileiro...

 

A decisão da Justiça de proibir a visita de Adolfo Perez Esquivel a Lula causou indignação no povo de luta que participa da vigília perto da sede da Polícia Federal em Curitiba.

“Que situação ridícula para a Justiça. Imagina um amigo como Esquivel, um prêmio Nobel da Paz, vir de tão longe e ser barrado por uma juíza”, afirma Célia Piontkievicz.

A negativa do pedido de visita de um prêmio Nobel impõe a Lula um regime de solitária, diz Clarice Weisheimer. “A condenação dele já foi arbitrária. A execução da pena está sendo ainda pior”, observa.

Ela considera que a decisão judicial piora a imagem do Brasil no exterior. “Já estava péssima, depois da condenação sem provas. Agora o Judiciário estilhaça sua imagem aqui e lá fora. Isso só agrega os movimentos contra o arbítrio do Judiciário”, diz.

Clarice afirma que a seletividade da Justiça está ampliando a polarização da sociedade. “Tem muita gente optando pelo radicalismo fascista e outras se dando conta de que estamos num Estado de exceção”, diz. Nesse cenário, a falta de consciência social e política agrava os danos causados pela Justiça parcial e pela mídia partidarizada.

“Tem gente comemorando o arbítrio, por causa da difamação perpetrada pelos meios de comunicação contra Lula durante anos”, analisa.

Eunice de Campos afirma que a proibição da visita de Esquivel a Lula deixa claro que estamos em meio a umgolpe judicial no Brasil. “Como a lei não obedece a lei, age de acordo com o interesse deles, que é o da elite”, diz.

Ela considera a proibição da visita uma injustiça e uma falta de respeito com o maior líder político da história do Brasil. “Nada mais me surpreende. Só que choro a cada arbitrariedade contra Lula”,fala.

Há quem veja a proibição da visita como um tiro no pé da Justiça. “Pelo status do Esquivel, vai ter repercussão lá fora. O fato de ter sido com ele vai fortalecer a visão de perseguição política a Lula”, analisa Augusto Tirado.

“Considero Lula um preso político. Acompanhei todo o processo contra ele, vi todos os depoimentos, a forma como Moro agiu, não como juiz, mas como advogado de uma das partes. É um grande conluio contra Lula”, afirma.

Por Luis Lomba, de Curitiba, para a Agência PT de Notícias

Coordenação

Construindo Um Novo Brasil.

Website: construindoumnovobrasil.com.br/

É uma corrente interna do PT, da qual fazem parte alguns dos principais ministros do nosso governo e o próprio Luiz Inácio Lula da Silva, entre outros quadros importantes. A corrente nasceu em 1983, a partir do Manifesto dos 113, que buscou organizar o grande número de militantes...