PEC 241 vai contra estado social desenvolvimentista, avalia economista

O professor da Unicamp Francisco Luiz Lopreato considera proposta incompatível com Plano Nacional de Educação, que determina que gastos devem atingir 10% do PIB...

Desde que assumiu o governo interinamente, o usurpadorMichel Temer vem preparando um pacote de medidas que visam atacar os direitos dos trabalhadores e o estado de bem-estar social que foi construído no Brasil ao longo dos últimos 13 anos. Entre os vários projetos que estão sendo negociados com a Câmara dos Deputados, um dos mais graves é a PEC 241, uma proposta de emenda constitucional que busca limitar os gastos públicos por 20 anos, além de limitar a criação de incentivos.

O professor da Unicamp Francisco Luiz Lopreato avalia que a proposta visa diminuir investimentos em áreas sociais: “Ao contrário do que faziam Lula e Dilma, que defendiam um estado social desenvolvimentista, a proposta busca limitar o papel do estado”,

Segundo o texto em análise no legislativo, as despesas governamentais de 2017 terão que ser iguais às de 2016, ajustadas somente pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPCA). Na prática, a medida deve diminuir os investimentos do governo, uma vez que a inflação deve diminuir e o PIB (Produto Interno Bruto) deve voltar a crescer.

“Ao contrário do que faziam Lula e Dilma, que defendiam um estado social desenvolvimentista, a proposta busca limitar o papel do estado”, Francisco Luiz Lopreato

Segundo Lopreato, “Se fosse um controle, por apenas dois anos, não iria destruir o Estado. Mas não é isso, são 20 anos e uma possível alteração só seria possível em 10 anos. É uma negação da política atual”, avalia o professor.

Para um ex-assessor econômico do Ministério do Planejamento ouvido pela Agência PT, “a ideia da PEC começa errada por achar que a questão fiscal brasileira decorre da despesa primária, que basicamente é gasto social”.

Além disso, a medida “tem caráter antidemocrático” por definir o limite por um tempo tão longo, equivalente a cinco mandatos. “A Lei de responsabilidade Fiscal define metas anuais, nenhuma lei jamais cerceou os direitos de um governo”, explicou o assessor, que preferiu não se identificar.

Se fosse um controle, por apenas dois anos, não iria destruir o Estado. Mas são 20.

O assessor explicou que “tudo que vimos de ganhos sociais são gastos públicos. Duas questões importantes são a saúde eeducação”. Para ele, a carga tributária tem que ser mais progressiva. “O que mudaria mesmo o regime tributário seria nas empresas, com mais impostos diretos, porque já há muita tributação indireta”, afirmou.

Ele lembrou que o governo Dilma buscava resolver o problema fiscal pela arrecadação, mas foi sabotada pelo Congresso. “A ideia era recompor a carga tributária”.

O professor Lopreato reitera que, se aprovada a emenda constitucional, “teremos uma contínua queda de gasto em relação ao PIB”. Para ele, “esse tipo de política é incompatível com a atual institucionalidade do país, de vinculação de gastos com Saúde, Educação”.

Ele relembra que o Plano Nacional de Educação, por exemplo, estabelece que os gastos da área aumentem até atingir 10% do PIB.

“Isso escancara a disputa que existe entre uma proposta social desenvolvimentista e uma proposta liberal que estava na mesa, que se debateu na disputa eleitoral”, afirmou Lopreato, para quem a proposta colocada pelo governo golpista é ainda “mais radical que aquela colocada nas eleições”. Ele se refere ao projeto derrotado do golpista Aécio Neves.

Da Redação da Agência PT de Notícias

 

Coordenação

Construindo Um Novo Brasil.

Website: construindoumnovobrasil.com.br/

É uma corrente interna do PT, da qual fazem parte alguns dos principais ministros do nosso governo e o próprio Luiz Inácio Lula da Silva, entre outros quadros importantes. A corrente nasceu em 1983, a partir do Manifesto dos 113, que buscou organizar o grande número de militantes...